“DESCOMPLICA, UNINA!”: ENTENDENDO OS PRONOMES – PARTE 2 

Neste Descomplica Unina: Entendendo os Pronomes, continuaremos falando sobre os pronomes e as suas aplicações.
Por:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Vamos seguir com a nossa “viagem” pelo “Planeta Gramática”. Neste texto, finalizaremos o “passeio” pelo “País Pronome”. 

Você já sabe que, no “País Pronome”, “habitam” os termos com duas características específicas: acompanhar e substituir o substantivo. Não leu a última postagem? Basta clicar aqui!  

Leia também: 3 maneiras de se tornar um especialista dentro da sua área de atuação.

A partir de agora, vamos ver as outras subdivisões dos pronomes: os pessoais do caso reto, os pessoais do caso oblíquo, os de tratamento e os relativos. Mas antes de analisarmos cada uma delas, precisamos relembrar as pessoas do discurso, pois elas irão nos acompanhar com a análise dos pronomes e são fundamentais para nosso entendimento em relação a eles. Existem três pessoas do discurso. 

Agora que já relembramos quem representa cada pessoa do discurso, vamos dar continuidade a nossa “viagem” pelo “País Pronome”. Vamos iniciar com os pronomes pessoais do caso reto, que têm a característica de substituir o substantivo. Eles exercem a função de sujeito em uma frase, aquele que pratica ou sofre a ação do verbo. Veja o exemplo. 

Na frase acima, o pronome “ele” está no sigular e no masculino, pois está substituindo o substantivo “Gustavo”, o qual também está no singular e no masculino. Perceba que o pronome “ele” é quem pratica a ação do verbo “morará”, por isso, dizemos que ele é o sujeito da frase. 

Os pronomes pessoais do caso reto são: 

Os pronomes pessoais do caso oblíquo são parecidos com os pronomes do caso reto, eles se diferem somente nas suas funções. Enquanto os pronomes do caso reto exercem a função de sujeito, os do caso oblíquo exercem a função de complemento do verbo em uma frase. Veja o exemplo a seguir. 

Na primeira frase, o pronome “te” é complemento do verbo “contou”, pois quem conta, conta alguma coisa (tudo) a alguém (te), que representa a segunda pessoa do discurso. Na segunda frase, o pronome “a” substitui o substantivo “Ana” e desempenha a função do complemento do verbo, pois quem elogia, elogia alguém, nesse caso “o gerente elogiou a Ana”. Já na terceira frase, o pronome “ela” faz o papel do complemento da locução verbal “foi quebrada”

 Os pronomes pessoais do caso oblíquo são: 

Dentro do “País Pronome”, temos também os pronomes de tratamento, eles também substituem o substantivo. Usamos-os para nos dirigirmos aos nossos interlocutores com uma certa formalidade. 

Leia também: Descubra a importância da formação pedagógica para funcionários de escolas

Obs.: Apesar de indicarem uma interlocução, comunicação entre a 1ª pessoa e a 2ª pessoa do discurso, com os pronomes de tratamento, os verbos são conjugados em 3ª pessoa. Veja o próximo exemplo. 

Na primeira frase, o pronome “senhora” foi usado para se dirigir à mãe; na segunda frase, o pronome “você”, expressão informal, foi usado para se dirigir à Maria Júlia; na terceira frase, o pronome “Vossa Excelência”, expressão formal, foi usado para se dirigir a uma alta autoridade de Estado. 

Veja mais alguns exemplos de pronomes de tratamento.  

Já os pronomes relativos recebem esse nome pois se relacionam com um termo anterior, que é um substantivo, substituindo-o para evitar a repetição desse termo. 

 Veja o exemplo. 

Na primeira frase, o pronome “onde” retoma o substantivo “livraria”, que representa um lugar. Na segunda frase, o pronome “que” retoma o substantivo “livro”; e, na terceira frase, o pronome “cuja” indica que o substantivo “capa” pertence ao subtantivo “livro”.  

Cabe salientar que, algumas vezes, o pronome relativo é acompanhado de uma preposição, isso ocorre porque ele atrai, para perto dele, a preposição que pertence a outro termo na frase. Veja alguns exemplos. 

Na primeira frase, por exemplo, o pronone relativo destacado está acompanhado da preposição “de”, pois o verbo “necessito” exige essa preposição. Na segunda frase, a preposição “a” está junto ao pronome que indica lugar, pois o verbo “ir” exige a preposição “a”, isso também ocorre na terceira frase, em que o verbo “falei” exige a preposição “de”, e na quarta frase, em que a preposição “em” indica o local onde ocorreu o nascimento. 

Os pronomes relativos são: 

Espero que você tenha “descomplicado” um pouco sobre esse assunto. 

Leia também: 5 dicas para professores iniciantes

Até a próxima publicação do “Descomplica, Unina!”. 

Gostou? Ficou com dúvidas? Quer sugerir outros temas? Entre em contato com o setor do PROLAC, o Programa de Letramento Acadêmico da Faculdade Unina: carla.sanches@unina.edu.br; luis.gabriel@unina.edu.br; sonia@unina.edu.br.  

Texto escrito pela professora Carla Emanuelle Sanches

Tópicos

Sua opinião é muito importante

Gostaríamos de saber como foi sua experiência em nosso site, desse modo podemos estar sempre em constante melhoria.



    Skip to content